Famílias do Largo da Aparecida retornam às suas residências

Após seis dias acolhidas em pousadas e unidade de acolhimento provisório, as 17 famílias do Largo da Aparecida, no bairro Jabotiana, que aceitaram receber o suporte da Prefeitura de Aracaju durante as chuvas e cheia do rio Poxim puderam retornar às suas residências, na manhã desta segunda-feira, 29. Para que esse retorno pudesse ocorrer de forma segura, o trabalho intersetorial, mais uma vez, foi indispensável e a força-tarefa de órgãos e secretarias da administração municipal garantiu da limpeza das casas ao transporte das famílias e seus pertences.
retirada dessas pessoas foi feita de maneira preventiva, na semana passada, antes que o rio transbordasse e, de lá para cá, todo o monitoramento, seja do rio ou mesmo do volume de chuva, foi realizado e segue acontecendo constantemente. Enquanto as famílias estiveram acolhidas em locais intermediados pela Prefeitura, seus pertences, como móveis, foram alojados em galpões e, hoje, também retornam às residências, assim como osanimais de estimação que estavam em hotelzinho para pets, através do programa AjuAnimal, da Secretaria Municipal do Meio Ambiente (Sema).
“O trabalho de retorno se dá assim que a Defesa Civil entende que as famílias podem voltar às suas casas sem que corram risco. O rio baixou e o Largo secou, então, foi o momento de trazer essas pessoas de volta à sua comunidade. A Secretaria da Assistência Social se prepara para a concessão de benefícios eventuais, do que cada família vai precisar, seja cesta básica, de colchão e principalmente de materiais de higiene e limpeza. Fizemos um kit com água sanitária, sabão e desinfetante para que essas pessoas possam continuar com a assepsia de suas casas. A volta dessas famílias é baseada no respeito à comunidade, às pessoas. O Cras Madre Tereza de Calcutá segue com o monitoramento para atender às demandas e garantir os benefícios necessários”, pontua a secretária municipal da Assistência Social, Simone Santana.
Para a dona de casa Mayara de Jesus Santos, diante da situação, o suporte foi essencial. “Fiquei muito preocupada com a enchente e o que seria das minhas coisas. Graças a Deus, a Prefeitura tomou conta de tudo, colocou em local seguro. Agora, o sentimento é de alívio por não ter perdido nada. Estava ansiosa para poder voltar para a minha casa e dormir tranquila na minha cama”, conta.
A ansiedade também fez parte dos sentimentos da dona de casa Welma Barros Araújo.“A preocupação principal é com os nossos filhos. Fiquei mais tranquila porque tomaram conta de tudo e fomos muito bem recebidos na pousada. Nos forneceram as refeições do dia e nos trataram bem, mas nada melhor do que voltar para a nossa casa depois dessa situação de ter que sair porque o rio estava enchendo. Agora, estou muito mais tranquila e feliz por poder voltar à minha casa”, revela.
O aposentado Gilberto Joaquim Santana também se tranquilizou com o suporte obtido. “Fui muito bem tratado, respeitado. Meu café, meu almoço, minha janta foi tudo certo, mas bom mesmo é voltar para casa. Gosto muito da minha e, agora, é voltar em paz. Agradeço pelo suporte todo e por cuidarem bem das minhas coisas”, afirma.
Cuidados 
Ao longo dos dias mais intensos de chuva, a Prefeitura atuou por intermédio da Secretaria Municipal da Defesa Social e da Cidadania (Semdec), através da Defesa Civil e da Guarda Municipal (GMA), das Empresas Municipais de Serviços Urbanos (Emsurb) e de Obras e Urbanização (Emurb), da Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT), da Secretaria Municipal da Assistência Social, além de equipes do programa AjuAninal, e contou, ainda, com a Defesa Social do Estado e o Corpos de Bombeiros.
Para a volta das famílias às suas casas, os cuidados foi criteriosos. “Fizemos um monitoramento inteligente da cota do rio que nos permitiu ter um tempo-resposta e um preparo melhor para o que viria de impacto no bairro Jabotiana como um todo, então, sabíamos que haveria essa redução das águas por esses dias. Hoje, esse monitoramento apontou que o nível do rio baixou bastante lá em São Cristóvão e, obviamente, esse impacto de baixa refletiria em Aracaju, também. Assim, voltamos com as famílias, as mobílias, limpeza das ruas e das casas, mantendo o suporte da Prefeitura”, detalha o secretário municipal da Defesa Social e da Cidadania.
Com a resposta positiva do monitoramento, equipes da Emsurb iniciaram o processo de limpeza das vias e das residências. “Fizemos, primeiro, um pente fino em toda a área. Iniciamos a limpeza com uma grande lavagem, usando cinco caminhões pipa. São cerca de 100 mil litros de água para isso. Estamos com equipes preparadas, tanto no Largo como no galpão da Assistência para fazer o translado dos móveis. De terça para cá, atuamos com cerca de 70 agentes por toda a região, verificando bueiros e situações que pudessem causar um acúmulo da água e não encontramos, ou seja, essa enchente, de fato, foi derivada da cheia do rio Poxim”, ressalta o presidente da Emsurb, Bruno Moraes.
Previsão
De acordo com a meteorologia, nesta segunda e terça-feira, dias 28 e 29, não haverá chuva em Aracaju. No entanto, na quarta, 31, e quinta, 1º, deve chover cerca de 30 milímetros por dia. Para a sexta-feira, dia 2, e fim de semana, não há previsão de chuva, até o momento.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *