A revolução da IA contra fraude fiscal e crimes financeiros

*Por Dan Dica

Seria pouco dizer que a forma como realizamos pagamentos mudou significativamente nos últimos anos. O dinheiro em espécie diminuiu em popularidade, os pagamentos transfronteiriços podem ser feitos instantaneamente e os meios de pagamento receberam grandes investimentos de grandes empresas de tecnologia e capital de risco. Como resultado, os pagamentos se tornaram a espinha dorsal das economias digitais e estão impulsionando a inovação em todo o mundo.

No entanto, há uma desvantagem nos pagamentos instantâneos: equilibrar a velocidade com a segurança é um grande desafio. Com os pagamentos instantâneos se tornando a norma global, as instituições financeiras precisam se adaptar rapidamente para garantir transações protegidas de forma fluida e em grande escala.

As fraudes com ciberataques ultrapassarão os US$ 343 bilhões antes de 2027

À medida que os pagamentos evoluíram, as táticas dos fraudadores também evoluíram. Como resultado das rápidas mudanças em nosso comportamento, exemplificado pelo aumento imparável do comércio eletrônico, o campo de batalha também está mudando. A grande maioria da atividade fraudulenta começa fora do setor bancário. Mais de 85% dos casos de fraude na Espanha são provenientes de ciberataques.

As perdas acumuladas para as empresas devido a fraudes em pagamentos online em todo o mundo entre 2023 e 2027 ultrapassarão os US$ 343 bilhões. Além disso, as instituições financeiras estão investindo mais de US$ 206 bilhões globalmente para combater os crimes financeiros. Diante desse cenário, a Inteligência Artificial se apresenta como uma solução imperativa.

No meio da crescente ameaça de fraude e crimes financeiros, a Inteligência Artificial (IA) emerge como o pilar essencial para salvaguardar a integridade das transações. Estamos caminhando para um futuro em que a tecnologia não é apenas uma aliada, mas uma defesa importante contra perdas econômicas massivas.

Até agora, a prevenção de fraudes dependeu em grande parte da análise de ameaças anteriores e de regras com critérios predefinidos. Isso deixou as instituições financeiras expostas e lutando para acompanhar um cenário em constante evolução. Essas regras não aprendem automaticamente, não conseguem prever novos tipos de ataques, pois apenas evitam o ataque para o qual foram definidas. Isso significa que aqueles encarregados pela criação, muitas vezes têm que simular dezenas de milhares de cenários para que sejam eficazes. Isso é uma prática arcaica. Em 2024, a prevenção eficaz exige defesas preditivas e adaptativas.

Ao invés de regras inflexíveis e muitas vezes obsoletas que bloqueiam transações, as novas soluções facilitam decisões precisas que minimizam os falsos positivos e maximizam a segurança. As soluções oferecidas pela IA são modelos de aprendizado de máquina autônomos que aprendem diariamente. O aprendizado diário deve incluir tanto as operações legítimas quanto os casos confirmados de fraude. Isso garante que os modelos de aprendizado de máquina se adaptem às mudanças no comportamento do cliente e aos ataques, bem como aos novos tipos de fraude.

IA Avançada: Redefinindo a identificação de riscos

No horizonte de 2024, a IA está destinada a transformar a gestão de riscos, oferecendo eficiência e uma identificação aprimorada de riscos. A capacidade de analisar dados para detectar padrões e anomalias torna a IA uma ferramenta de grande valor na luta contra a fraude e os crimes financeiros.

A IA avançada não apenas detecta, mas também previne eficazmente a fraude e os crimes financeiros, fornecendo o nível de risco em tempo real e em grande escala. Essas tecnologias não apenas agilizam os processos, mas também aliviam a carga humana, permitindo que as equipes se concentrem em tarefas mais complexas e estratégicas.

As soluções de IA mais eficazes também lidam com ameaças de lavagem de dinheiro (AML, na sigla em inglês) e os requisitos regulatórios de cibersegurança. Ao fundir conhecimentos especializados, a IA se torna um escudo que não apenas responde aos desafios atuais, mas também antecipa os futuros.

Em resumo, a IA se constitui como o catalisador que transformará a gestão de riscos em 2024. Sua capacidade de analisar dados de maneira proativa, prevenir fraudes e aprimorar a identificação de riscos marca o início de uma nova era na luta contra a fraude e os crimes financeiros. Em um mundo cada vez mais digital, a IA se apresenta como o escudo que preserva a integridade de nossas transações e assegura um futuro financeiro mais seguro.

*Dan Dica é CEO da Lynx

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *